Pesquisar neste blogue

domingo, 26 de dezembro de 2010

Mesmo assim ainda há muitos portugueses que gostam!

Não vale a pena continuar a dizer que Portugal vive uma situação económica e financeira muito complicada. Todos sabemos que o futuro do nosso país não é risonho. Levamos uma década de estagnação económica. Temos pela frente uma outra década ainda mais difícil com uma significativa perda de qualidade de vida para os portugueses. Portugal não tem recursos para manter o actual Estado social. E Portugal não pode continuar-se a endividar nos mercados internacionais para colmatar as suas deficiências estruturais. Para mais, a sobrevivência do euro é duvidosa. Estamos pois numa encruzilhada sem resposta fácil.

O que não pode deixar de nos surpreender é que, estando metidos num buracão tão grande, o estilo de governação não mudou mesmo nada. Os milagres da propaganda tapam a falta de conteúdo, as reformas estruturais estão supostamente todas feitas, a pseudo-determinação do primeiro-ministro não resolve problema absolutamente nenhum. O Governo não tem nenhum plano ou programa. Anda a reboque dos mercados financeiros e de Bruxelas, navegando à vista, sem capacidade de execução. Foi assim todo o ano de 2010. Vai ser assim em 2011.

Com ou sem FMI, o Governo tem mesmo que reduzir o défice. Ao mesmo tempo tem um grave problema de incapacidade de execução orçamental sem o habitual recurso a receitas extraordinárias. O Governo evidentemente não tem nenhum plano estrutural para aumentar a eficácia da administração pública e racionalizar a despesa pública porque os PRACE, Simplex, Plano Tecnológico e semelhantes simplesmente fracassaram.
Logo o Governo vai ter que se agarrar ao óbvio: mudar alguma coisa na legislação laboral porque assim exige a Europa, uma redução de pensões e prestações sociais ainda mais significativa do que a já anunciada, maior redução do investimento público, maior redução dos salários da Função Pública, e privatizações ao desbarato. E aumento da carga fiscal, principalmente impostos indirectos. Mesmo assim ainda há muitos portugueses que gostam!

Sem comentários:

Enviar um comentário